• Por Brasileirinho

Nova Dialética, Nova Política

Desde 2011 com o início da Primavera Árabe as pessoas tem ido às ruas para manifestar sua indignação contra o sistema. Nada aconteceu. O movimento Occupy Wall Street clama que apenas 1% dos americanos são beneficiados da economia americana. O sistema permanece.

Muitos se propõe a fazer Historia, a planejar seus acontecimentos e acabam em desenganos revolucionários. Ao mesmo modo, muitos se propõe a escrever trabalhos científicos, a desenvolver uma linha de produção de papers e seus papéis acabam indo para a lata de lixo. Não é simples se tocar na Natureza e na História. Precisamos entender exatamente o que está em jogo. Existe sempre uma profundidade a se desvelar maior do que nossa pueril imaginação.

A Natureza e a História estão sempre a bater em nossa porta. Hoje, o sentimento comum é que necessitamos de uma nova política. Buscar algo novo e moderno. Não foi a História que acabou, mas a dicotomia esquerda-direita que esgotou. As lutas sociais continuam, mas não conseguimos produzir, nem nova esquerda nem nova direita. Ficamos nas acusações antigas onde o setor financeiro prevalece.

O livro do economista francês Thomas Piketty, O Capital no século XXI, analisa o predomínio do rentismo (financeiro, imobiliário etc). Mostra que a locomotiva do capitalismo não é mais a dos capitães de indústria e dos produtores rurais, mas a do predomínio do sistema financeiro. Diz que: ‘Os ricos ficarão sempre cada vez mais rapidamente mais ricos, pois dispõe de um estoque de rendimento de capital que traz significativamente mais rendimento do que o trabalho.

Vivemos uma distorção do sistema capitalista onde aceitamos o capital ter um rendimento maior do que a produção de bens. O resultado esta no relatório global sobre renda – o Global Wealth Report 2014 – no qual aponta que a metade mais rica do mundo detém praticamente da riqueza global e a metade mais pobre da população menos de 1% da riqueza total.

Neste cenário é que devemos procurar por uma nova política. Sair da visão de que a prosperidade depende da confiança no sistema financeiro. Precisamos ir entender como estabelecer a economia real (a que gera produtos e empregos) numa sociedade científico-tecnológica. Sem a fundamentar é perigoso ficar repetindo o refrão ‘política nova’. Não podemos ser levianos em expressões novas. A História repele aqueles displicentes com suas oportunidades. Condena a sentença de descobrir o quanto a Humanidade pode ser miserável.

Neste dilema encontra-se o conhecimentista. O seu ensejo é participar na História do século 21 através do conhecimento e o desafio está em introduzir uma nova política. Entende que o caminho está em ir além do rentismo de Piketty. O seu livro mostra que as coisas se movem para assegurar aos endinheirados uma fatia da riqueza superior aos desenvolvimento médio da economia. Entretanto, esse é um quadro estático, uma fotografia das coisas. Para o conhecimentista, a supremacia do rentismo é apenas a superfície de algo mais profundo. A ela devemos nos dirigir, se quisermos entender sobre a dinâmica que move a sociedade.

Chegamos à época em que as coisas partem da virtualidade. Numa Era do Conhecimento o natural deve ser visto a partir do virtual. Portanto não á mais o comunismo que tratará a questão da desigualdade. Precisamos ir além de Marx. Falar de espaço psicológico, virtualidade, realidade, verdade, espetáculo. Sermos movidos por uma economia onde o que conta é o conteúdo. Economia não é feita somente para salvar os pobres e dar boa vida aos ricos. É para apoiar o desenvolvimento de significado.

Esse é o tema que o conhecimentista se invoca. O seu fundamento está na geração de conteúdo. A partir dele gera-se trabalho, riqueza, emprego. Sem a sua presença voltamos ao mundo natural e não passamos de uma economia das commodities. Portanto, a sua procura por uma nova política deve ser baseada na construção de conteúdo. Em geral os políticos falam muito de educação e pouco de conteúdo. Não entendem a necessidade de se integrar educação-ciência-inovação-mercado para que um determinado conteúdo consiga florescer.

Nova política, novos diálogos. O propósito do conhecimentista é o de trazer o diálogo do conhecimento. Aprofundar o fato de que antes da economia vem à relação do homem com o espaço psi provocado pelo conteúdo. De que o seu diálogo mais primitivo não está na relação capital-trabalho, mas na dialética do conhecimento. Fazer surgir uma nova política a partir da dialética do conhecimento é a sua missão.

Por MELK

10 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

O abismo todo nutridor

Brian Thomas Swimme obteve seu doutorado em Cosmologia Matemática na Universidade de Oregon em 1978. Ensinou na Universidade de Puget Sound por alguns anos antes de se mudar para Nova Iorque para estu

lncc-2.jpg

Ligue para: (24) 2231-3549 ou 2237-0625

Primeira Lei de Newton: Inércia - Brasil Escola

LEI DA INÉRCIA (Primeira Lei de Newton) - AULA 2 DINÂMICA - Prof. Marcelo Boaro

Me Salva! DIN02 - Dinâmica - Segunda Lei de Newton

2ª LEI DE NEWTON (Princípio fundamental da Dinâmica) - DINÂMICA - AULA 3 - Prof. Marcelo Boaro

Física - Leis de Newton: Conceito de força

Aula 71 Conceito de Força

Sistema Internacional de Unidades (SI) - Brasil Escola

Notação Científica, Sistema Internacional(SI) e Ordem de Grandeza - Prof. Boaro

Me Salva! DIN03 - Dinâmica - Terceira Lei de Newton - Ação e Reação

Leis de Newton: Terceira Lei de Newton -- Lei da Ação e Reação | Vídeo Aulas de Física Online